sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Bases Bíblicas Espirituais do Culto Cristão

Por José Egberto Sátiro de Moura

Psicólogos e sociólogos debatem a razão pela qual o homem adora. Nesse contexto a antropologia e a arqueologia descobrem em todas as civilizações a presença da religião e do culto. Contudo, pressupomos ser isto resultado do medo, instinto gregário do desconhecimento do futuro. No entanto, numa coisa todos concordam: o homem tem espírito religioso e é um ser adorador. Mas quando afirmamos isto, outra batalha se forma: qual a adoração verdadeira? Existe um lugar, uma fonte, um modo de adorar verdadeiramente! Como definir a adoração verdadeira da adoração falsa?

Quando lemos João 4.19-30 percebemos que era nessas interrogações que a mulher samaritana se debatia. Ela estava presa ao pecado do adultério, e também presa à confusão religiosa. Na sua época a babel religiosa existia. Ela confessa nossos pais adoravam neste monte (Samaria), vós (Judeus) dizeis que Jerusalém é o lugar que se deve adorar.

 Nesse sentido ela poderia dizer mais nós aceitamos somente o Pentateuco como livro sagrado, mas, vós dizeis que os salmos e os profetas também o são. Afinal, o que se deve seguir? Qual a verdadeira religião? Nós não somos diferentes. Passamos pelas mesmas angustias daquela mulher, mas graças a Deus que ela teve um encontro com Jesus. E neste encontro que teve com o nosso mestre a resposta dele vem respondendo á dois milênios estas interrogações espirituais.

Agora sob a graça de Cristo, o culto cristão não tem um lugar adorativo. Podemos afirmar que hoje, ligar a verdadeira adoração a algum lugar da terra è superstição. “Jesus disse”. “A hora vem quando nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis o Pai”. A verdadeira adoração é de um Deus Espírito, e nesta condição limitar a divindade é ir de encontro à sua eterna  e infinita natureza. 

Deus não tem um tumulo sagrado, nem uma Roma ou uma Jerusalém, ele não se prende a rua tal nº tal, não tem lugar, gruta, nem cidade, nem seu poder e sua pessoa se limitam a um pedaço de pau, nem a um ídolo de ouro, prata ou barro. Não é propriedade particular da Igreja tal e nem é monopólio de organização nenhuma. Deus é Espírito e Ele por Jesus Cristo e pelo Santo Espírito, se coloca no interior do homem e ai é adorado e servido, e trabalha esteja este homem no ventre de um peixe, no fundo do mar, pisando no solo da lua, ou presente num templo.

Na adoração errada se busca lugar, ídolos, símbolos, amuletos, coisas ungidas, centros peregrinativos, gurus, missionários, bispos e reverendos. Mas o louvor cristão busca adorar em Espírito e em verdade. Sendo assim, o louvor cristão é espiritual. Já o cerimonialismo visa à sensação, procura impressionar e nessa conjuntura o homem adora a liturgia, o brilho, a festa e as emoções, o cerimonialismo se estabelece num culto carismático de danças, palmas e sensações. Mas Jesus afirma que o louvor cristão não se prende a aparatos religiosos. 

Certa vez Jesus se pôs de pé em lugar de destaque e proclamou “Quem tem sede, venha a mim e beba” (João 7.37). Só nele encontramos a santificação que o cerimonialismo jamais poderá oferecer.

De acordo com o embasamento teológico a adoração cristã verdadeira se fundamenta na Nova Aliança Hb. cap. 8. Está franqueada ao crente a comunhão com Deus. O culto cristão deve ser mediado por Jesus Cristo, o sumo sacerdote que se identifica com os adoradores Hb 2.12,13; 16-18; Jo 17.24; Mt 18.20; por isto não deve ser profanado, mas reverenciado e oferecido com reverencia e tremor Hb 10.28-31; 12,28-29. Também não é um evento meramente sociocultural Hb 4.16; 1º Jo 1.5-10. Nesse contexto, o cumprimento de um ritual, não basta para que haja culto. 

É indispensável à aceitação por Deus do culto oferecido, Deus estabelece condições para aceitar a adoração de homens e a primeira delas e a fé Hb 10.38; 11,6 em segundo lugar o envolvimento total da vida como nos mostra Rm 12. 1-2; Mc 12.30; Lc 10.27. Em terceiro lugar o culto deve ser dirigido a Deus Mt 4.10; 6.6; Hb 13,15. Em quarto lugar deve ter uma modelação pelo ensino bíblico Mt 15.9; Hb 4.12-13; Hb12.28 e em quinto lugar deve ser mediado por Cristo Hb 9.12,24-28; 10.19.  

Enfim, a adoração deve ser centralizada em Cristo, pois, é um ato divino-humano, é o encontro do eterno com o passageiro, do infinito com o finito, do Espiritual com o carnal, de Deus com o homem. No culto e no louvor Deus e o homem se encontram. Por isso deve haver um mediador Deus-homem. A mulher sabia que quando viesse o Messias tudo seria solucionado. Jesus se apresentou como sendo o que estava por vir. Ele mesmo disse: Ninguém vem ao pai senão por mim. João 14.6, a mulher após o encontro com Jesus Cristo, teve a vida transformada abandonou a prostituição e se tornou uma missionária. Não existe na vida cristã aquela história de que o culto terminou. Há um prosseguir adorativo. 

O louvor cristão se faz presente dia a dia na obediência, em casa; no respeito, na Igreja; na lealdade, no trabalho; na fidelidade, no amor; no cuidado, em tudo. O louvor é ato vitalício. Quando os homens vêm ao louvor se realmente adoram, não voltam os mesmos. O louvor cristão fortalece o caráter, restabelece a fé, santifica o espírito.

Esse texto tem como fonte a Revista Educação Cristã Volume 1da SOCEP e foi adaptada pelo Pr. José Egberto Sátiro de Moura das 1ª e 2ª lições que fala sobre as bases espirituais do culto cristão e as bases bíblicas do culto cristão.
  
Reações:

5 comentários:

  1. Estive a ler, é muito boa a sua reflexão, o homem que não adora Deus, ele vai adorar outra coisa, porque está incutido no ser. Mas o verdadeiro adorador adora o Pai em Espírito e em Verdade, e só essa adoração satisfaz Deus e o homem.
    Paz meu irmão.
    António.

    ResponderExcluir
  2. “Mas a hora está chegando, e de fato já chegou, em que os VERDADEIROS ADORADORES adorarão o Pai, em ESPÍRITO e em VERDADE; pois são esses que o Pai procura para seus adoradores – Jo 4.23 (KJVA, 2001)”.

    VERDADEIROS:
    ἀληθινός - alēthinos
    Que não tem apenas o nome do objeto em consideração e semelhança com ele, mas que PARTICIPA da ESSÊNCIA do mesmo, correspondendo em TODOS os sentidos ao significado da ideia transmitida pelo nome.

    Só adora a Deus quem dEle é e permanece cheio!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Amigo Por esta Reflexão.O texto expressa verdadeiramente o sentido bíblico da adoração. São estes adoradores que Deus está à procura.A Verdadeira adoração não é encontrada em um determinado lugar, mas brota de corações sinceros e desejosos de expressar sua adoração ao Eterno! grande Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Adoremos ao Rei!!!

    A Ele a Glória Para Sempre!!!

    O Senhor te abençoe!!!

    ResponderExcluir
  5. A Paz de Cristo, conhecer seu blog alegrou meu coração. Suas mensagens são edificantes para o Corpo de Cristo, e um bálsamo para todos que acessam esse espaço abençoado.
    Como prova do meu amor cristão deixo uma lembrancinha que fiz, espero que goste do acróstico:

    C ultivar uma vida de oração.
    R evigorar-se pela leitura diária da Palavra.
    E star sempre disposto a obedecer a Deus.
    S er uma testemunha fiel no viver e no falar.
    C onsagrar a Deus seu corpo, tempo e talentos.
    E sperar de Deus a orientação para a vida.
    R evestir-se do poder do Espírito Santo.

    Nós precisamos CRESCER na Graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
    A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog, deixo o convite.
    http://frutodoespirito9.blogspot.com/

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    P.S. Convido a visitar o blog do irmão J.C. repleto de mensagens abençoadoras; algumas polêmicas, porém ricas de entendimento.

    Acesse:
    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    ResponderExcluir